sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Incertezas.

No meio do caminho
Quando tudo parece certo,
O curso do destino muda tudo.
A certeza da lugar ao nada sei,
A coragem conhece o que fraqueza.
O medo é assustador,
E a dor não tem piedade, rasga sua carne
Como um punhal de pontas longas e bem afiadas.
Se conhece a morte estando vivo.
O desespero de se estar presa num túmulo, sem ar...
Busca-se um foco de luz, uma breja, um fio onde possa
haver novas esperanças, algo que tire desse nada mental.
Sim, quando se perde as forças, o nada mental se instala.
A sensação é de que não ser nada,
não ter nada, não pertencer a nada,
Nada importar.
Mas a matéria existe e persiste em permanecer em forma
de um ser.
Então, o resta é caminhar, mesmo sem compreender
as pedras no caminho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário